segunda-feira, 30 de maio de 2011

Animais


Cartaz do documentário “O lixão sai, a gente fica”, de 22min, direção de Marcelo Pedroso

Animais ocupam a cidade
Raivosos, olhares fixos
Famintos, catam comida
Selvagens, estralhaçam lixos
Feridos, largados no chão

Animais invadiram a avenida
Raivosos, avançam nos carros
Famintos, ignorantes
Feridos, sem perdão

Animais humanos
Humanos desumanizados
Como fazer a revolução?


Lara Tapety
Outubro de 2004

Fórmula 1: "Everybody hates Hamilton"


Ontem, após a corrida do Grande Prêmio de Mônaco, em entrevista à TV BBC, o piloto Lewis Hamilton soltou uma frase que o fez parecer com o personagem principal do seriado "Everybody hates Chris" (Todo mundo odeia o Chris). "Talvez seja porque sou negro", disse Hamilton.
Apesar de a imprensa afirmar que o piloto fez o comentário infeliz, o rapaz até que pode ter lá sua razão, já que outros também erram - se é que pode se chamar ousadia de erro - e nem todos são chamados atenção como ele. Hamilton ainda disse que, em cinco de seis corridas, foi chamado para falar com os comissários. O problema é que ele não precisava xingar os colegas, coisa de gente de cabeça quente.
No final das contas, o jovem "desbocado" terminou tendo que se retratar para não sofrer mais punição. Fica a comparação: "Everybody hates Hamilton"!






Portfólio - Releases - Por Lara Tapety

Releases produzidos na Comissão Pastoral da Terra em Alagoas, em 2008: 

Feira com alimentos orgânicos produzidos por camponeses acompanhados pela CPT começa amanhã
Esta 9ª Feira Camponesa divulga a Campanha Nacional pelo Limite da Propriedade de terra

                A 9ª Feira Camponesa vai acontecer entre os dias 14 e 17 de outubro, na Praça da Faculdade, bairro do Prado, em Maceió. A partir das 12h dessa terça-feira, caminhões carregados de alimentos vão começar a chegar e, às 18h será feita a abertura oficial do evento. A organização espera comercializar 250 toneladas de produtos.
A Feira reúne a produção de assentados da reforma agrária, acampados e de pequenos produtores agrícolas, como os posseiros e pequenos agricultores, que sobrevivem na terra e do que lá produzem.  No evento, a população maceioense vai encontrar alimentos orgânicos frescos e limpos vendidos a um preço justo. Batata, milho, macaxeira, frutas, legumes, ervas medicinais, galinhas de capoeira e carneiros são alguns dos produtos a serem comercializados, todos sem agrotóxicos e com sabor de saúde.  O público poderá comprar farinha “quentinha”, feita na hora, numa Casa de Farinha construída no local. A programação noturna conta com o melhor do forró pé-de-serra, com os grupos Nó Cego, Chau do Pife, Pinóquio do Acordeon e Joelson dos 8 Baixos e shows das bandas Mr. Freeze, Xique Baratinho e Gato Zarolho. Os produtos estarão à disposição a partir das 6h às 23h, inclusive durante as apresentações culturais.
                Esta 9ª edição é um espaço que além de divulgar a produção dos sem terra e demais camponeses, também pretende apresentar para a sociedade alagoana a “Campanha Nacional pelo Limite da Propriedade de Terra: em defesa da reforma agrária e da soberania territorial e alimentar”. A campanha foi criada em 2000 pelo Fórum Nacional pela Reforma Agrária e Justiça no Campo (FNRA)*, com objetivo de mobilizar a sociedade brasileira para incluir na Constituição Federal um novo inciso que limite às propriedades rurais em 35 módulos fiscais. Áreas acima dos 35 módulos seriam automaticamente incorporadas ao patrimônio público. O Brasil tem a segunda maior concentração fundiária do planeta. 2,8% do total das propriedades rurais do país são latifúndios e ocupam 56,7% das terras agriculturáveis, enquanto os minifúndios representam 62,2% dos imóveis e ocupam 7,9% da área total. Com a inclusão do novo inciso na Constituição, esse quadro pode mudar e os brasileiros saem ganhando.
                A 9ª Feira Camponesa é uma realização da Comissão Pastoral da Terra (CPT), com apoio do Governo Estadual de Alagoas, Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) e MISEREOR.

* O FNRA é formado por 47 entidades que lutam pela reforma agrária, direitos humanos, meio ambiente e soberania alimentar e territorial
 
___________________________________________________

21ª Romaria da Terra e das Águas de Alagoas deve reunir mais de 5 mil pessoas
Caminhada percorre 13km de Flexeiras ao Assentamento Flor do Bosque (Messias)

Neste final de semana, 15 e 16 de novembro, vai acontecer a 21ª Romaria da Terra e das Águas, com o tema "Terra Conquistada: Vida e Fartura Partilhada". A caminhada parte da Praça Central de Flexeiras, e se estenderá até o assentamento Flor do Bosque, em Messias.  Serão 13 km percorridos em noite de lua cheia e, ao amanhecer do dia, um café da manhã camponês vai ser oferecido pelos assentados da região.
A concentração da Romaria começa a partir das 20h deste sábado (15) com um momento cultural. Às 22h haverá Missa presidida pelo Arcebispo de Maceió, Dom Antônio Muniz. Em seguida, a caminhada será iniciada. Durante o percurso, camponeses e camponesas entoarão cantos da terra. Três momentos com muita celebração, reflexões e orações irão acontecer durante as paradas.
O percurso é encerrado no assentamento Flor do Bosque para celebrar os 10 anos de luta e resistência do povo do local. Essa Romaria também reflete a realidade do complexo Agrisa/Peixe (pelo MST, MLST e MTL) – maior área desapropriada do Estado. Além disso, a Romaria divulga a Campanha Nacional pelo Limite da Propriedade de Terra e em Defesa da Reforma Agrária e da soberania territorial e alimentar, pretende fortalecer as comunidades camponesas envolvidas e debater o papel dos camponeses na missão de produzir alimentos e preservar o meio ambiente.
A partir da simbologia da saída da cidade para o campo – do Egito à terra prometida –, a Carta da 21ª Romaria da Terra e das Águas, assinada por Dom Antônio Muniz, denuncia a “escravidão causada pelo agronegócio e suas monoculturas, que expulsa o homem do campo, empurrando-os para as favelas e tirando-lhes a dignidade de filhos e filhas de Deus” e “morosidade do INCRA de fazer uma reforma agrária sustentável, integral e realmente camponesa”.
Durante 12 anos a Romaria da Terra aconteceu na Serra da Barriga, berço da luta pela liberdade, sendo realizada inicialmente pela paróquia de União dos Palmares e da Comissão Pastoral da Terra. Com o passar dos anos, a caminhada foi crescendo e passou a ser a ser itinerante, indo aonde há necessidade de fortalecer a comunidade e denunciar os conflitos agrários.

___________________________________________________

CPT faz lançamento estadual do livro Conflitos no Campo Brasil 2007

 
A Comissão Pastoral da Terra faz amanhã, 29 de abril, o lançamento estadual do livro Conflitos no Campo Brasil 2007, publicação que traz dados sobre conflitos e violações de direitos humanos relacionados à luta pela terra e água no país.
O lançamento acontece a partir das 09h30 no teatro do Sindicato dos Bancários. A abertura será realizada pelo arcebispo metropolitano de Maceió, Dom Antônio Muniz Fernandes. A programação conta com um painel sobre “A propriedade e os conflitos no campo”, por Isidoro Revers, da CPT-Nacional, às 10h e, às 10h30 vai acontecer a apresentação dos dados de conflitos no campo, por Delson Lira, professor e advogado.
Dentre os dados que serão apresentados amanhã, os relacionados ao estado de Alagoas terão destaque. O estado é o segundo no país em números de ocupações, continua entre as cinco maiores áreas de conflitos no campo e teve um significativo aumento no número de prisões e de manifestações. No ano de 2007, o estado com o maior número de ocupações foi São Paulo, com 75, seguido de Alagoas, com 44, e de Pernambuco com 41.
Foram assassinadas no ano passado 28 pessoas em conflitos pela terra, número menor que em 2006, quando foram registrados 39 assassinatos. Contudo, este tipo de crime está mais pulverizado, enquanto em 2006 os crimes aconteceram em oito estados, em 2007 eles foram registrados em 14. Para a CPT, isto mostra que a violência segue a lógica do agronegócio e se espraia pelo Brasil, dominando novos espaços.
Entre os enfoques do relatório de 2007 estão os conflitos trabalhistas, com destaque para a superexploração e a escravização dos cortadores de cana, diante do avanço da agroenergia, principalmente, do etanol. O documento aponta ainda a expansão do setor sucroalcooleiro como a principal causa do aumento da exploração do trabalho, visto que 53% das libertações de trabalhadores em situação degradante ou análoga ao trabalho escravo, no ano passado, ocorreram em usinas de cana-de-açúcar.
Vão participar do lançamento do livro trabalhadores e trabalhadoras rurais, movimentos e organizações sociais. A CPT faz o registro dos dados com o objetivo de denunciar os conflitos e a violência a que são submetidos os trabalhadores e trabalhadoras rurais. A publicação Conflitos no Campo Brasil está em sua 23ª edição.


Conflitos no Campo Brasil 2007

O livro é dividido em cinco temáticas: conflitos por terra, conflitos pela água, conflitos trabalhistas, violência contra a pessoa, e manifestações. Também estão disponíveis na publicação notas e documentos publicados pela CPT durante o ano 2007 e a análises dos dados feitas por professores como Carlos Walter Porto Gonçalves, da Universidade Federal Fluminense, Maria Aparecida de Moraes Silva e Bernardo Mançano Fernandes, ambos da Universidade Estadual Paulista (Unesp).
A obra Conflitos no Campo Brasil foi editada pela primeira vez em 1985 e, desde então, tem sido referência entre as entidades e movimentos do campo, no meio acadêmico, entre organismos internacionais, órgãos governamentais e a imprensa. Em 2002, a obra foi reconhecida como publicação científica pelo Instituto Brasileiro de Informação e Ciência e Tecnologia (IBICT). Junto com o lançamento deste relatório será lançada uma versão popular da obra em forma de cordel, escrita pelo agricultor cearense Alfredo de Abreu Paz.
___________________________________________________
Releases produzidos no Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários (SINTTRO), em 2009: 

NOVA DIREÇÃO DO SINTTRO TOMA POSSE HOJE
Depois de mais de 20 anos sem eleição democrática, Sindicato dos Rodoviários teve processo eleitoral supervisionado pelo TRE
 
            O Sindicato dos Trabalhadores do Transporte Rodoviário de Alagoas (SINTTRO/AL) terá nova diretoria eleita a partir de hoje (10/12). A posse do grupo será a partir das 18h, na sede do sindicato, localizado próximo ao Antigo Mercado Ideal, na Rua 16 de Setembro, Centro de Maceió.
            No dia 29 de novembro do ano em curso, 752 rodoviários compareceram ao Centro Federal de Educação Tecnológica de Alagoas (CEFET/AL) para participar da eleição sindical. A chapa 1 – Coragem de Mudar – foi vitoriosa, com 437 votos. Em seguida, ficou a chapa 2, com 243; a chapa 3 obteve 69 votos e houveram 2 votos nulos e um branco.
O procurador da Procuradoria Regional do Trabalho (PRT), Luciano Carlesso, comentou sobre o processo que ele acompanhou: “nós esperávamos que a categoria pudesse exercer seu direito político de poder escolher a direção de seu sindicato, então estamos muito contentes com desdobramento e com a repercussão que teve nossa ação civil e hoje é o dia que culmina em tirar as pessoas que estavam exercendo as funções de diretoria irregularmente. A importância disso é que o trabalhador tenha, além de seus direitos básicos, seu direito político de escolher seus representantes”.
Segundo o presidente eleito, Écio Marques, “a cerimônia vai ser simples, porque a antiga diretoria deixou o sindicato falido e sem estrutura, mas será uma posse que a marca o começo de um sonho para os trabalhadores rodoviários de Alagoas”.
___________________________________________________

Rodoviários denunciam 2 anos de impunidade do assassinado de sindicalista
Sindicato da categoria exige o desvendamento do caso e punição dos assassinos de José Galvão

A partir das 14h desta terça-feira, 03 de março de 2009, o Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Alagoas (SINTTRO-AL) vai realizar uma paralisação dos ônibus urbanos no Centro de Maceió.
O protesto tem como objetivo exigir esclarecimentos por parte das autoridades policiais pelo assassinato do rodoviário e sindicalista José Galvão, 39 anos, morto há exatamente 2 anos no Conjunto Village Campestre II, onde residia. Às 15h a manifestação segue para o Palácio República dos Palmares, onde os rodoviários pretendem cobrar o posicionamento do Governador para que as investigações sejam aceleradas. De acordo com a diretoria do SINTTRO, caso nada seja resolvido nos próximos meses, uma nova paralisação vai ocorrer por tempo indeterminado.
Segundo informações da polícia, o sindicalista estava em sua mercearia, por volta das 20h, quando foi surpreendido por dois homens que chegaram em uma bicicleta e efetuaram os disparos. Galvão foi atingindo por cinco tiros, destes, dois na cabeça, e morreu no local. Na época, os rodoviários fizeram paralisação das atividades pedindo uma ação da Secretaria de Defesa Social, no sentido de punir os responsáveis pelo crime – que passou a ser investigado pelo delegado do 10° Distrito Policial Egivaldo Lopes de Messias.
As linhas de investigação de Egivaldo estavam em torno de crime passional, assalto, vingança de empresários devido à cobrança do sindicalista pelo pagamento das horas-extras dos trabalhadores e, por fim, que o crime tenha surgido do próprio sindicato em 2007. De acordo com testemunhas, Raimundo Euclis (conhecido como Gaúcho, da empresa São Francisco), ameaçou Galvão de morte 3 dias antes do assassinato.  Atualmente, o caso está sob responsabilidade do delegado especial do 9ª Distrito, Nivaldo Aleixo.
Galvão tinha 15 anos de serviços prestados à categoria e vinha denunciando as fraudes da família Ramos na diretoria do SINTTRO – o que causou a destituição da antiga diretoria e culminou na eleição supervisionada pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE).

___________________________________________________


Grevistas da SRTE distribuem bananas, abacaxis e pepinos à população
Os alimentos vão ser distribuídos simbolizando o sucateamento do órgão

Bananas, abacaxis e pepinos: esses alimentos serão distribuídos à população em frente à Superintendência Regional do Trabalho e Emprego, no Centro de Maceió. Inspirados na atitude dos servidores do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) do Estado do Ceará, os grevistas alagoanos também vão realizar uma atividade metafórica em protesto ao descaso por parte do Governo Federal.  A ação desta quarta-feira, 25/11, denominada “Feira do Servidor”, foi promovida em diversos Estados.
A greve nacional do MTE completa quase duas semanas e continua em busca do atendimento emergencial de uma pauta de reivindicações que inclui a implantação de um plano de carreira específico para o setor. Segunda-feira, 23/11, o movimento ganhou força com a adesão dos servidores do Estado do Pará. Agora, 24 Estados, incluindo o Distrito Federal estão unidos para que o Governo apresente propostas para melhorar condições de trabalho, valorizar os servidores, refletindo em um melhor atendimento à sociedade.
Além da “Feira”, é possível que aconteça a radicalização da greve. De acordo com Jogelson Veras, do Sindicato dos Trabalhadores do Servido Público Federal (SINTSEP), possivelmente a categoria deve acorrentar as portas do órgão, bloqueando o atendimento. A informação é que essa proposta partiu da assembléia da categoria, ocorrida hoje, 24/11, com a direção do Sindicato dos Servidores em Seguridade Social (Saúde, Previdência, Assistência Social) e Trabalho (SINDPREV). 

*Também publicado em: ASDERT , SINTSEP-AL e CONDSEF
___________________________________________________


Índios Kariri-Xocó bloqueiam ponte na divisa de Alagoas com Sergipe

             A partir das 9h de amanhã (16/06), os índios Kariri-Xocó que vivem no município de Porto Real do Colégio, vão bloquear a BR101 na ponte que divide os Estados de Alagoas e Sergipe.
            Os índios reivindicam a marcação definitiva de suas áreas. Mais de 4500 hectares já homologados como terras indígenas foram por vezes demarcados, porém, o povo Kariri-Xocó denuncia que as marcações são removidas pelos fazendeiros da região. Devido ao conflito com os fazendeiros, os índios vivem numa área de 669 hectares - abaixo de seus limites legais. Somente com o acompanhamento da Fundação Nacional do Índio (Funai), em um novo processo de marcação, essas medidas serão regularizadas.
Eles pretendiam realizar a mesma atividade no dia 19 de maio, mas preferiram replanejar para fazer a mobilização com a presença de sindicatos. SINTSEP, SINDJUS, SINPOL, SIMESC e CGTB estarão no local do protesto manifestando apoio à causa indígena.

domingo, 29 de maio de 2011

MEGA CAMINHADA era lorota, mas protesto não

A Mega Caminhada, supostamente convocada pelo Movimento Caras Pintadas de Alagoas, não aconteceu. Em seu lugar, houve um protesto de estudantes ligados a Assembléia Nacional dos Estudantes Livres (ANEL).
Segue matéria do site de notícias Tudo na Hora.

Sem caras-pintadas, estudantes protestam em frente ao Palácio
Estudantes fazem protesto no Centro, seguindo ao Palácio do Governo. Foto: Tudo na Hora
Autointitulado de Assembleia Nacional dos Estudantes Livres (Anel), um grupo de estudantes fazem na manhã desta sexta-feira (27) um ato na Praça dos Palmares, no Centro de Maceió. O protesto foi articulado pelas redes sociais e por e-mails enviados à imprensa local.
Cerca de 400 pessoas se concentraram logo no início da manhã, exibindo faixas. O grupo planeja um grande protesto em frente ao Palácio Zumbi dos Palmares. Um dos organizadores, Ivson Ribeiro, disse ao Tudo na Hora que os estudantes estão lá para apoiar o movimento dos servidores públicos na busca de melhoria salarial, mas, como não tiveram a adesão de funcionários do Estado, nem dos sindicatos que os representam, decidiram fazer o ato por melhorias em áreas diversas, como Saúde, Educação, etc.
A mobilização deve ocorrer durante toda a manhã. Poucos integrantes do grupo de estudantes estavam com o rosto pintado ou com nariz de palhaço. No entanto, a mensagem divulgada nas redes sociais e nos e-mails enviados à imprensa intitulava o movimento como “Caras Pintadas de Alagoas” e informava ainda que iria disponibilizar no ato desta sexta-feira (27) milhares de latas de tinta, de narizes de palhaços, apitos e mais de 400 faixas.
No início desta semana, a Central Única dos Trabalhadores (CUT), Sindicato dos Trabalhadores da Educação em Alagoas (Sinteal) e Sindicato dos Policiais Civis declararam ao Tudo na Hora que não participariam da mobilização e que não reconheciam um movimento sem identidade.

sábado, 28 de maio de 2011

Sobremesa

Hoje tenho um compromisso
Com aquela que me faz
Abrir os lábios e conseguir
Enxergar a vida
Boa noite! Apresento-lhes:
- A diversão,
Sirva-se


Beto Brito*

*Relações públicas, professor de literatura, poeta, autor de livros

quarta-feira, 25 de maio de 2011

MEGA CAMINHADA de impeachment do Governador de Alagoas é lorota!

É mentira a  "MEGA CAMINHADA" do movimento "Caras Pintadas de Alagoas", a ser realizada no dia 27 de maio, a partir das 08 horas, em frente ao Palácio do Governo.
Os "Caras Pintadas", que já foram citados aqui neste blog durante a campanha para eleições de outubro de 2010, são ligados a Ronaldo Lessa, adversário (até quando não se sabe) do Governador reeleito. O movimento é liderado por Raudrin Lima, ex-superintendente da juventude do Governo quando Wedna Miranda, cunhada de Lessa, era secretária da Mulher, Cidadania e Direitos Humanos.
A suposta caminhada pede o impeachment do Governador Teotônio Vilela Filho e "a revogação do aumento escandaloso dos deputados", conforme e-mails. Na tentativa de convencer o público a participar do protesto, os autores do texto se colocam na condição de vítimas e condenam, generalizando, não só os parlamentares, mas também a mídia e a Justiça de Alagoas - ambas ditas compradas.
O reajuste de 100% nos salários dos deputados estaduais é realmente escandaloso e um forte motivo para que o povo proteste. Assim como a postura do Governador em relação aos servidores públicos também deve ser alvo de críticas. No entanto, se isso tudo partir daqueles que estão sendo prejudicados e não de quem pretende ocupar o lugar de Teotônio Filho e/ou dos 26 parlamentares da Assembléia Legislativa que aprovaram o aumento dos próprios salários.
O movimento "Caras Pintadas" divulgou Nota de Esclarecimento onde afirma que o ato de sexta-feira não foi convocado por ele. Acredita-se que isso foi uma nota infiltrada pelo próprio Governo, ou pesoas vinculadas a este último, para esvaziar o movimento de todos servidores públicos, marcado para hoje (25/05) à tarde, na Praça Sinimbú.
Se o e-mail fosse verdade, ficaria a questão: De onde saiu a verba para aquisição das 7.652 latinhas de tintas, 5.899 narizes de palhaço, 8.550 apitos, 479 faixas, trio elétrico, 3 carros de som e tantos outros materiais de comunicação, para distribuir aos manifestantes?
Vale refletir que usar o povo como massa de manobra para tirar um corrupto e colocar outro em seu lugar é tão absurdo quanto as razões utilizadas para convencê-lo a participar da manifestação. Os trabalhadores e trabalhadoras, junto aos sindicatos, movimentos campesinos, estudantil e outros verdadeiros, devem ir às ruas para protestar e reivindicar seus direitos, mas, assim não dá.

Lara Tapety


Veja abaixo trechos da LOROTA:

MEGA CAMINHADA!

 JÁ ESTÁ CONFIRMADO! dia 27/05 às 08:00h em frente ao palácio do governo!

Todos confirmaram a presença na passeata dos CARAS PINTADAS DE ALAGOAS,
Já temos:
7.652 latinhas de tintas
5.899 narizes de palhaço e
8.500 apitos, para distribuir aos manifestantes

 E VOCÊS ESTÃO CONVIDADOS A TRAZEREM MAIS BRINQUEDINHOS COMO ESTES...

 Presença de TRIO ELÉTRICO e mais Três CARROS DE SOM este é um MOMENTO HISTÓRICO!

     TODAS AS ENTIDADES PÚBLICAS E EDUCACIONAIS, CLASSES SOCIAIS, ECONÔMICAS, RELIGIOSAS, ESTUDANTIS, SINDICATOS, UNIVERSITÁRIOS, UFAL, UNCISAL, IFAL, UNEAL, SOCIALISTAS, HOSPITAL UNIVERSITÁRIO, POLÍCIA CIVIL, PROCURADORIA GERAL DO ESTADO, DETRAN, POLÍCIA MILITAR, AGENTES PENITENCIÁRIOS, AGRICULTURA, EDUCAÇÃO, OS SEM TERRA MST E MSTL, PARTIDOS DE OPOSIÇÃO, VÍTIMAS DAS ENCHENTES, E ONGS QUE LUTAM PELOS TRABALHADORES... ESTÃO DISPOSTOS A SAIR EM CAMINHADA PINTANDO O ROSTO QUE DEUS LHES DEU, PELO CENTRO DE MACEIÓ, COM MAIS DE 479 FAIXAS PREPARADAS EM PROTESTO CONTRA AS INJÚRIAS E PICARETAGENS DO GOVERNO DE ALAGOAS.
(...)
ESTAREMOS PEDINDO O IMPEACHMENT DO GOVERNADOR TEOTÔNIO VILELA FILHO, A REVOGAÇÃO DO AUMENTO ESCANDALOSO DOS DEPUTADOS. Intelectualmente fracos, que insistem em plantar um Cativeiro mental na cabeça da população de alagoanos através da televisão, vivem sugando todo povo, mantendo a MÍDIA COMPRADA e a JUSTIÇA DE ALAGOAS também! DESCARADAMENTE, debaixo de nossos narizes, assim como tantas outras autarquias públicas, é o governo que compra tudo e a todos, ele acha que tudo tem um preço, inclusive os eleitores (àqueles que lhes faltam à consciência educacional a qual leva o cidadão ao bom senso e raciocínio lógico que permite dizer não a bandidagem política).
(...)

            NÓS SOMOS A POLÍCIA GALERA!
Acorda povo! Fumo nos olhos dos outros é refresco!

            Se vocês não se rebelarem, haverá duas grandes classes sociais em Alagoas, logo, logo, a classe dos Governos que acham que o estado é um de seus EMPREENDIMENTOS ou a SUA USINA DE DINHEIRO e a classe dos pobres e humilhados com salários medíocres, ridículos e incapazes de dar dignidade a qualquer família.
Contra o governo de Alagoas
No próximo dia 27/05, EM FRENTE AO PALÁCIO, 08:00h PEDINDO O IMPEACHMENT do governador teotonio vilela, vamos todos!

terça-feira, 24 de maio de 2011

Debate entre candidatos ajuda a definir futura Reitoria da Ufal

Oficinas de cartazes no Curso de Comunicação Social.  Foto: Morena Melo Dias

A comunidade acadêmica da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) assistirá hoje (24/05) ao primeiro debate entre as três chapas candidatas à Reitoria da Ufal, Valéria Correia e Ricardo Cabús (01), Paulo Vanderley e Eliane Cavalcanti (02) e Eurico Lobo e Raquel Rocha (03). Os candidatos terão oportunidade de exporem seus projetos e confrontarem as diferenças entre eles, num debate de perguntas entre si e com participação da platéia. A programação está prevista para às 18h na Tenda da Cultura Estudantil, ao lado da Biblioteca Central no Campus A. C. Simões.
Após oito anos de gestão Ana Dayse, Eurico Lobo lança um projeto de continuidade da forma de governar de sua antecessora. A chapa de situação traz o nome “Conhecimento que transforma”, mesmo texto da marca institucional comemorativa dos cinqüenta anos da Ufal. “Para construir a Ufal dos sonhos” é a chapa liderada por Paulo Vanderley, diretor do Centro de Ciências Agrárias, entusiasta da idéia de uma Universidade Rural em Alagoas, que mais uma vez tenta a alcançar a cadeira de Reitor da Ufal.
Valéria Correia assume, junto com Ricardo Cabús como vice, a candidatura “Outra Ufal é possível”, numa situação de grande insatisfação das bases estudantil, docente e técnico-administrativa com o atual rumo da Universidade. Valéria tem como forte indicador de gestão, a democracia com ampla participação, marca que imprimiu a sua passagem pela Pró-Reitoria Estudantil. Entre os candidatos é a que tem a maior produção acadêmico-científica, reconhecida nacionalmente por sua produção e luta em defesa do setor público, particularmente os Hospitais Universitários.
Manifestados pela comunidade acadêmica, pela sociedade alagoana e por figuras de renome nacional, os apoios à Valéria para Reitora da Ufal não param de chegar. Marcos Del Roio, professor da Faculdade de Filosofia e Ciências da Unesp, reconhecido internacionalmente, declarou: “a professora Maria Valéria é mais do que uma professora e pesquisadora sempre empenhada, está também mergulhada nos problemas da vida social de Alagoas em busca de soluções e está sempre na luta pela melhor qualidade dos serviços sociais no País. Essa candidatura é uma oportunidade que não pode ser perdida pelos colegas que trabalham na UFAL”. Os estudantes da Ufal têm realizado várias oficinas de cartazes para declararem seu apoio em cada curso e unidade acadêmica. 

Estudantes fazem oficina para criar cartazes. Foto: Morena Melo Dias
Nesta campanha estão em contraste os diversos projetos de Universidade para a Ufal nos próximos anos. Nos cinquenta anos em que atua, a Universidade tem exercido uma forte influência nos rumos do Estado de Alagoas, contribuindo para o desenvolvimento de suas atuais bases econômicas e sociais. Com o terceiro maior orçamento do Estado, a Ufal tem papel central nas mudanças as quais estas bases precisam se submeter para um futuro de distribuição de riquezas e justiça social em Alagoas.

Por Rafael Soriano

Outras informações:
82 9916 8547 / 82 8725 8333
@rafasoriano003

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Palpite sobre o suposto mistério das meninas que morreram afogadas no interior de Minas Gerais

Bairro do Cantagalo, Itajubá, sul de Minas. No dia 1º de maio, um grupo de adolescente se diverte no Rio Sapucaí. Michele Bittencourt, de 16 anos, grava a farra com a câmera do celular. Ela registra a amiga Vanessa Moreira, de 17 anos, entrando na água.
“O que você quer, Vanessa, sai daí! Deixa eu ir lá com a Vanessa, vai filmando”, fala Michele.
Michele vai para o rio e deixa o celular com outra pessoa, que continua a gravar. Um minuto depois acontece a tragédia

O vídeo apareceu esta semana na internet. Olhando as imagens com cuidado, é possível ver que algo passa próximo das meninas, no momento em que elas gritam. Logo depois, se afogam.


Ontem, o Fantástico, programa da Rede Globo, investigou o caso das adolescentes. Hoje, Ana Maria Braga, no seu programa matinal Mais Você, também comentou o assunto, com o tema "mistério das meninas que morreram afogadas no interior de Minas Gerais". No entanto, não vejo nenhum mistério.
Meu palpite é que as meninas se assustaram com um bicho não identificado; uma delas, que não sabia nadar, se apoiou na outra, que nadava mal; as garotas terminaram uma afogando a outra na tentativa de se salvar. Isso, que chamam de "mistério", é muito comum, com exceção do bicho, seja cobra ou qualquer outro animal, inclusive humano (um membro das próprias meninas). A maioria dos casos de afogamento, segundo o corpo de bombeiros, ocorre por imprudência e as vítimas são jovens entre 16 e 32 anos. Exatamente o caso noticiado.
Lembrei de certa vez que presenciei um afogamento de um jovem com síndrome de down na praia do Francês, litoral sul de Alagoas. Estava num barco, quando vi o rapaz se afogando. Fiquei desesperada tentando ajudar. Joguei a bóia, mas ficou distante da vítima. Mergulhei para tentar jogar a bóia mais perto. No mesmo momento, meu pai gritou comigo, pedindo para eu me afastar. As pessoas que estavam na praia fizeram uma corrente para tentar salvar o jovem, porém, muitos que lá estavam também não sabiam nadar, e a corrente humana começou a afundar. Logo a corrente imprudente se desfez, um bombeiro salva-vidas chegou ao local e resgatou a vítima. O rapaz, desmaiado, precisou dos primeiros socorros. No final, tudo terminou bem dessa vez.
Moral da história: se você for entrar numa piscina, rio, lagoa ou mar, pense direitinho nas suas limitações, analise os riscos. Caso não saiba nadar ou esteja em companhia de alguém que não sabe, leve algum material flutuante onde possa se apoiar. Além disso, evite ficar muito próximo a alguém que não sabe nadar, porque a tendência é a pessoa tentar se apoiar em quem estiver mais perto, assim, causando o afogamento.
O que merece destaque não é o suposto mistério, mas sim o perigo de pessoas entrarem num rio que não conheciam sem saber nadar e sem nenhum tipo de equipamento salva-vidas. Caso a imprensa se preocupasse mais em informar no sentido de educar, esse e tantos outros acidentes poderiam ser evitados. Bom seria se a grande mídia deixasse de fazer sensacionalismo com o fato e levasse o corpo de bombeiros para informar a sociedade! Uma hora é capaz de a Globo fazer isso, mas só depois de noticiar o que, infelizmente, dá mais audiência: desgraça.

Dicas do Corpo de Bombeiros para prevenir acidentes de afogamentos:
- Obedeça a sinalização dos locais perigosos e evite acidentes;
- Pergunte sempre ao guarda vidas sobre os locais apropriados para banho;
- Entre no mar com cuidado e não vá para locais de maior profundidade e perigo;
- Mantenha crianças sempre sob sua vista;
- Permaneça longe de encostas e pedras;
- Se você perceber alguém com dificuldades na água, mantenha a calma e chame imediatamente um Guarda-vidas;
- Preserve a natureza! Coloque o lixo em sacos e jogue-o nos lugares certos, não destrua nada, para poder usufruir novamente;
- Se pretender entrar no mar, rio ou lagoas, cuidado com os excessos de comida e bebida, principalmente de bebidas alcoólicas, jamais caia na água com o estômago cheio;
- Evite exageros e cuidados com o sol. O excesso de exposição traz danos à saúde. Use sempre protetor solar adequado, proteja-se com um guarda-sol, beba bastante líquido, de preferência água, e molhe-se no mar de vez em quando;
- Não siga os que se dizem grandes nadadores, o mar já levou a vida de muitos deles;
- Se houver necessidade de socorrer alguém, tenha sempre em mãos um material flutuante e grite por ajuda;
- Pratique esportes nos horários e locais indicados;
- Se você perceber que irá se afogar, ou se não estiver se sentindo bem, não se intimide e grite por socorro;
- Para maior segurança, aprenda um método de respiração artificial. Reúna um grupo de amigos e peça orientação do guarda-vidas;
- Quando estiver nadando, não lute contra a correnteza. Nade no sentido diagonal. Evite permanecer na praia quando houver trovoadas.



domingo, 22 de maio de 2011

Lêdo ivo

Roubei estes versos do dia
Este quarto fechado
Onde se planta
Poesia


Breto Brito

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Greve dos trabalhadores da segurança pública em Alagoas

Há quase um mês os policiais civis, agentes penitenciários, subtenentes e sargentos estão em greve. Eles se organizaram e criaram o Movimento Unificado dos Trabalhadores da Segurança Pública, formado pelas entidades representantes das categorias.

Alguns acontecimentos desta greve merecem reflexão, entre eles: o discurso do deputado Antônio Albuquerque (PTdoB), no Plenário da Assembléia Legislativa; as declarações do Secretário de Defesa Social,  Coronel Dário César e, do Comandante Geral da Polícia Militar, Coronel Luciano Silva e; a postura do Governador Teotônio Vilela Filho nas entrevistas a imprensa.


Diante da confusão ocorrida no dia 10 de maio, durante o movimento na praça Dom Pedro II, situada em frente à Assembléia, o deputado que menos tem moral para julgar qualquer cidadão como criminoso, usou a tribuna da Casa Tavares Bastos para dizer que os grevistas são vândalos e devem ser responsabilizados criminalmente. Logo quem falou isso? Um sujeito que foi indiciado na Operação da Polícia Federal que investigou o desvio de R$302 milhões da ALE e que até já foi preso por homicídio. 

Antônio Albuquerque sendo preso.

Um ladrão e assassino (segundo informações veiculadas na imprensa) provavelmente tão psicopata que não tem vergonha de abrir a boca para criticar servidos públicos exaltados devido à condição de exploração que se encontram! Já que o dito cujo é pistoleiro e tem as costas quentes, ao invés de dá-lhe severas críticas, todo mundo ou se cala ou evita citar seu nome.
Teotônio Vilela Filho pede voto para Antônio Albuquerque. Foto: TudonaHora
 Não se pode deixar de lembrar que esse verdadeiro criminoso se uniu ao sarcástico Teotônio Filho durante a última campanha eleitoral, em 2010. Ambos se reelegeram, ambos responsáveis direta ou indiretamente pelo aumento da violência em nosso Estado.
Como era de se esperar, a postura do Governo foi de reforçar as palavras do deputado, através dos Coronéis Dário César e Luciano Silva, que atribuíram às lideranças a culpa dos atos praticados por alguns trabalhadores que estavam com os ânimos acirrados.
O movimento chegou a divulgar nota de repúdio aos representantes da Secretaria Estadual de Defesa Social e do Comando Geral da PM “pela forma ameaçadora, abusa e arbitrária em desfavor aos líderes militares, especialmente ao Major Wellington Fragoso (presidente da ASSOMAL), sargento Teobaldo de Almeida  (presidente da ASSMAL), Cabo José Soares (presidente da ACS), Cabo Wagner Simas (presidente da ASPRA)".
Alagoas, que há cerca de 10 anos estava em 11º no Racking de homicídios, está em 1º lugar. Enquanto o número de homicídios continua crescendo muito acima da média nacional, o Governo Estadual desrespeita aqueles que estão lutam diariamente para manter a segurança da sociedade alagoana caótica. Pior, persegue os grevistas e, quando forja um diálogo, apresenta proposta vergonhosa.
O Governador Teotônio Vilela Filho aparece na mídia com um sorriso descarado, na maior pose de receptivo e democrático. Mas, na realidade, evita negociar com o movimento e abriu processo administrativo-disciplinar para punição dos grevistas, baseado na decisão judicial que considerou a greve como ilegal. Dessa forma, os três poderes aliados tentam impossibilitar a mobilização. Por enquanto, não está funcionando, vamos ver por quanto tempo os servidores suportam.

Parlamentares do Legislativo passarão a receber 100% de reajuste enquanto os servidos públicos receberão menos de 10%

Enquanto Vilela propõe não mais que 7% de aumento para a categoria, os deputados derrubaram, por 20 votos a 1, veto do governador ao projeto de lei que versa sobre o reajuste, em mais de 100%, dos salários dos próprios. Isto é, os 27 parlamentares do Legislativo Estadual passarão a receber pouco mais de R$ 20 mil, ao invés dos atuais R$ 9,6 mil - quando o funcionalismo público receberá apenas 5,91% de reajuste. Isso revoltou os grevistas. E quem não fica revoltado com isso? Só os comparsas dos picaretas mesmo!

O povo sem educação e a barbárie aumentando

            Analfabetismo e homicídios em Alagoas se mantêm ganhando do restante do Brasil. No Estado mais carente em educação, a violência cresce assustadoramente. O Governo e os municípios não têm comprometimento com a educação, e para piorar, também não se preocupam com a segurança pública, de modo que a situação está ficando incontrolável.
Conforme o “Mapa da Violência 2011 – Os jovens do Brasil”, elaborado pelo Instituto Sangari, entre os jovens alagoanos, os índices de assassinatos são tão absurdos que passaram a ser incomparáveis no mundo inteiro, com as taxas acima de 100 vítimas jovens a cada 100 mil.
            A situação é tão grave que se fala em epidemia e, as propostas para combatê-la são a integração das forças de segurança, combate à corrupção policial e campanha do desarmamento. Excluindo o combate à corrupção, as demais alternativas vão de encontro a opinião de muitos que defendem a democracia e/ou a transformação desta forma de sociabilidade.
            O interessante é que pouco se fala (ou fala, mas nada faz) na raiz do problema – a educação –, mas sim em medidas paliativas. É a velha história: “Tapar o sol com a peneira”.
            Isso me fez lembrar a aula de história do personagem do ator pernambucano Irandhir Santos, o Fraga, em Tropa de Elite II, onde ele analisa os dados da população carcerária:

“Prisão hoje é um lugar extremamente caro pra tonar as pessoas piores (...) Só pra vocês tenham uma idéia: Em 1996, a população carcerária brasileira era de 148 mil presos. Hoje, 10 anos depois, a população carcerária é de mais de 400 mil presos. É mais que o dobro, é quase o triplo. Eu fiz uma conta. É... perversa, que evidentemente não presta. Imagina, professor de história fazendo conta é um desastre. Mas essa aqui eu faço questão de compartilhar com vocês. Pelo seguinte: eu percebi que a população carcerária brasileira, ela dobra em média a cada 8 anos, enquanto que a população brasileira dobra a cada 50 anos. Se continuarmos com isso aqui, em 2081 a população brasileira será de 570 milhões – ou seja, seus filhos, seus netos, seus bisnetos – enquanto que a população carcerária será brasileira será de 510 milhões. Seus filhos, seus netos e seus bisnetos, ou seja, 90% dos brasileiros vão estar na cadeia. Mas não se preocupem, que essa situação aqui melhora, em 2083, todos os brasileiros vão estar morando aqui, num condomínio fechado como esse aqui (apontando para uma maquete de presídio)”.

            Imaginem que, se o Poder Executivo e Legislativo continuarem nesse caminho do mal, vai ser difícil sobreviver neste mundo. Se por um lado a expectativa de vida aumenta devido a queda na mortalidade infantil e desenvolvimento científico e tecnológico, diminui devido à criminalidade.

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Sindpol: a gargalhada do governador foi um verdadeiro deboche


Alagoas está sangrando! Este foi o desabafo feito pelo 2º vice-presidente do Sindicato dos Policiais Civis (Sindpol), José Edeilto, em entrevista concedida na noite da quarta-feira (18), no estúdio da Rádio Gazetaweb. O presidente da Associação dos Oficiais da Polícia Militar, Wellington Fragoso, também se fez presente a fim de reivindicar direitos, como reajustes salariais e melhores condições de trabalho para a categoria. Nesta quinta (19), os militares se reunirão em assembleia às 14h, na Praça Deodoro, e os policiais civis, às 14h, na sede do sindicato, na Rua Cincinato Pinto, no Centro.

Edeilto iniciou sua fala ao comentar acerca da gargalhada do governador Téo Vilela, durante uma entrevista coletiva na tarde dessa terça-feira (18). Segundo ele, o governo trata os servidores com desrespeito e não tem consideração com a categoria. “A gente diz isso, pois o governo tem a responsabilidade de assistir a três milhões de pessoas, que precisam de necessidades básicas, como segurança, saúde e educação. A sociedade precisa acordar e cobrar do Téo uma posição e um trabalho digno” – externou.

No decorrer da entrevista, o representante do sindicato lembrou-se da visita realizada pelos sindicalistas, esta semana, a delegacias do interior de Alagoas. Entre os distritos observados, estão Palmeira dos Índios, São Miguel dos Campos, Penedo, Teotônio Vilela e Arapiraca. “A situação nestas delegacias é totalmente complicada. Falta tudo: estrutura física e estrutura funcional e, desse jeito, não dá mais para continuar. Em Palmeira, a delegacia é uma ‘pocilga’; em São Miguel, agora é que estão fazendo uma reforma de R$ 119 mil” – relatou o sindicalista.

Desde 17 de dezembro de 2007, a carceragem da Delegacia de Penedo foi interditada, visto que os presos não estavam em condições de conviver no mesmo espaço, conforme informou o sindicalista. “Todo fiscal da lei se preocupa com os direitos humanos, mas como os servidores são parte do Estado, dizemos que não há direitos humanos”, disse.


José Edeilto comentou acerca das delegacias do interior
Revoltado, José Edeilto comparou o governador Téo Vilela a Osama Bin Laden. “A criminalidade é tão grande que Téo está matando mais do que Osama Bin Laden. Só em quatro anos, foram inúmeras vítimas. E nada mais, nada menos do que a própria gargalhada sarcástica deste governador, que nos trata diferentemente dos delegados, ou seja, é como se colocasse uma enfermeira, ganhando R$ 1 mil, para fazer o serviço do médico, que ganha R$ 20 mil”. Segundo Edeilto, a decisão da Justiça de punir grevistas cerceia o único direito que foi reservado à categoria.

Polícia Militar

Ao comentar acerca de uma falta de gerência por parte do Estado, Wellington Fragoso também lembrou a famosa gargalhada de Vilela. Segundo o major, o Estado não consegue mais assumir compromissos há cinco anos, uma vez que há um resíduo de 7% que Teo ‘ignora’, bem como datas-base. “Quando a gente vê a gargalhada, presenciamos o total descaso e o descompromisso com a sociedade alagoana”

Quanto à entrega simbólica das chaves de uma moto e de um carro, feita pelo então governador, que servirão à PM, Wellington garantiu que os militares não aceitarão o que chamam de ‘fazer o outro de besta’. “Isso é um absurdo. Só falta ele dar de brinde três cavalos, 2 bicicletas e quatro cachorros; se fosse uma contratação de 2000 policiais para aumentar o efetivo, aí sim, seria um verdadeiro presente” - alfinetou.

Wellington Fragoso também fez uma convocação para assembleia nesta quinta
O presidente da Associação dos Oficiais comparou a deficiência de alguns militares atuais à expulsão de coronéis com 45, 46 e 47 anos de idade - que obtiveram grandes experiências - mas que foram substituídos. “O resultado foi a colocação de militares com pouca habilidade no lugar de verdadeiros servidores e bastante novos, por sinal”.

Processo militar

Durante a entrevista, Fragoso comentou acerca do processo disciplinar militar que foi instaurado contra ele e o presidente da Associação dos Cabos e Soldados de Alagoas, Wagner Simas. De acordo com o major, a categoria só fez convocar os colegas a unirem-se nas lutas contra o governo. “A corregedoria se esqueceu de analisar o sentido de crime militar. O militar só comete crime dentro do quartel, a serviço na rua ou atentado entre militares", concluiu.


Fonte: Gazetaweb - com Jobison Barros

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Portfólio - Jornais institucionais - Por Lara Tapety

 Jornal do SINTSEP, produzido pelo Sindicato dos Trabalhadores do Serviço Público Federal no Estado de Alagoas (SINTSEP/AL), em 2011.


Capa

Pg. 3

Pg. 6


Jornal Caminho da ROÇA, Edição Especial sobre os Canavieiros, produzido pela Comissão Pastoral da Terra em Alagoas (CPT/AL), em 2008.

Capa
Pg. 2
Pg. 3
Pg. 4
Jornal Caminho da ROÇA, produzido pela CPT/AL, no final do ano de 2008.

Capa
Pg. 2
Pg. 3
Pg. 4
 Jornal Direção na Luta, produzido pelo Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários no Estado de Alagoas (SINTTRO/AL), em 2009.

Capa
Pg. 2
Pg. 3
Pg. 4

 Jornal Direção na Luta, produzido pelo Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários no Estado de Alagoas (SINTTRO/AL), em 2009.

Capa
Pg. 2 - 3
Pg. 4
 Jornal do SINTSEP, produzido pelo Sindicato dos Trabalhadores do Serviço Público Federal no Estado de Alagoas (SINTSEP/AL), em 2009.


Capa
Pg. 2
Pg. 3
Pg. 4